• Lourenna Miguel

Morador de rua sofre com o recolhimento de pertences

Atualizado: Mar 9

Registramos mais um caso de recolhimento compulsório de pertences em Belo Horizonte. O relato é do Nilton, um morador de calçada, como ele se denomina. Confira o vídeo completo de mais um desabafo e denúncia dos excessos praticados ilegalmente pelo Poder Público Municipal contra a população em situação de rua.




“Meu nome é Nilton Rodrigues Soares, eu tenho 54 anos, sou morador de calçada, aqui, há dois anos e nove meses. Gostaria de deixar uma reclamação em relação à Prefeitura, a forma que eles vêm agindo para com a minha pessoa. Às vezes eu não estou aqui, saio pra levar alguma reciclagem para vender no ferro velho, e quando volto minha moradia está desmontada, os meus pertences sumiram, eles levaram, recolheram. Infelizmente ele não tem a paciência de olhar quais os pertences que tem dentro das sacolas e ainda eles acabam levando coisas totalmente particulares.


Por exemplo, minha irmã deixou um celular pra mim, pra eu pudesse entrar em contato com ela. Eu fui no ferro velho vender as reciclagens e quando eu voltei só estava meu colchão, minha coberta, meu travesseiro. Mesmo assim eles estavam molhados e sujos de barro. Perdi o celular, um relógio de corda que consegui reciclado, um cordão de ouro que eu tinha reciclado e estava guardando para que eu pudesse vender e com o dinheiro sair da calçada, alugar um cômodo pra eu morar.


E assim sucessivamente, as vezes eles vem uma vez por semana, as vezes duas, as vezes três, as vezes passa uma semana sem vir, mas sempre recolhem alguma coisa”.